Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

AS MÃOS DE QUEM FAZ

Sempre que alguém da família ou alguma visita perguntava qual era o segredo de seu biscoito de queijo, minha avó dizia: são as mãos de quem faz, meu filho! Era uma verdade. Ela passava a receita, ensinava como preparar, mas não tinha jeito, não era a mesma coisa. As mãos da velhinha eram o ingrediente que faltava na massa do tal biscoito.

Eu achava aquilo tudo muito interessante e passei a observar o feitio. Havia mesmo uma maneira diferente, um certo carinho que ela dispensava aos produtos. Aquele momento parecia especial, único, e no final saía do forno o biscoito esperado por todos nós. Ela sorria vendo a nossa satisfação, nossa alegria. E sabia que os elogios frequentes não tinham apenas o objetivo de agradá-la, eram realmente verdadeiros!

Foi uma lição para mim. E inconscientemente usei esse conhecimento em todos os setores da vida. No trabalho, na escola, enfim, nas relações com a sociedade, peguei emprestada aquela dedicação e me tem sido de grande valia até hoje. Aprendi que tudo o que merece ser feito, merece ser bem feito. Alguém já deve ter dito essa frase por aí, mas não importa, uma grande verdade merece ser repetida.

A gente vê ao nosso redor inúmeras pessoas que se destacam devido ao capricho naquilo que fazem. A começar pelo atendimento num hospital, numa escola, numa empresa; no feitio de uma roupa ou no árduo trabalho de um gari que limpa as ruas. Devido a esse jeito singular de realização, muitas são conhecidas por terem as “mãos boas”. Para curar um animal, para plantar uma muda ou uma semente, para cuidar de uma criança, as mãos boas para fazer um biscoito. É fácil ver quem se dedica e, consequentemente, se diferencia de outros. E mesmo que não seja valorizado como merece, aquilo que é bem feito traz uma satisfação impagável a quem faz, uma tranquilidade, uma paz de espírito quando se coloca a cabeça no travesseiro.

Não se perde por fazer sempre o melhor! Mesmo que seja algo pequeno é preciso caprichar, se esforçar ao máximo. Não se esqueça de que o produto final é seu, você será julgado por isso. E pode ter certeza de que alguém está vendo, nem que seja você mesmo. Faça com esmero suas tarefas; a diferença entre o fracasso e o sucesso está nas mãos de quem faz.

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior