Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Miguel Patrício -

MÁSCARAS E MASCARADOS

A moda agora são as máscaras! Com a necessidade de tapar o rosto devido à pandemia do Coronavírus, o costume felizmente se espalhou e raramente se vê nas ruas alguém sem esse artefato protetor. As pessoas, no entanto, vão mais além: não se contentam apenas em se ocupar dos cuidados necessários, usando uma máscara qualquer por aí. Sem poder passear, ir a uma festa, uma reunião com os amigos para mostrar as roupas e os sapatos novos, elas se dedicam ao feitio e ao uso cada vez mais criativo e excêntrico desse acessório.

Observe e verá. Na maioria dos casos, as peças não são escolhidas aleatoriamente; é fundamental combinar com a roupa usada naquele dia, com o tom da pele e até com o astral, bom ou ruim, do mascarado. Os elásticos que envolvem as orelhas, além de não incomodar, precisam se camuflar nas mechas dos cabelos; e agora estão em alta as alças que envolvem a nuca trazendo maior comodidade ao usuário. E assim vai. Descartáveis ou não, já vi máscaras redondas, ovais, retangulares, com babados nas pontas, rendas nas bordas, com as cores da Bandeira Nacional, com o emblema do Flamengo... Tem gente que usa apenas sua cor preferida. Há notícias até mesmo de certo artigo desses apresentar um furo na região do nariz para facilitar a respiração.

E o velho costume de querer sempre mais e melhor que o necessário volta a se manifestar. Normalmente não seria preciso mais que duas máscaras para cada pessoa. Uma no rosto e a outra de reserva. Entretanto, a maioria da população já possui, no mínimo, dez. Dessa forma, o caso virou comércio. Há cartazes espalhados por aí na maioria das casas comerciais abertas oferecendo o produto, existem pontos de vendas nas esquinas e nas feiras, e várias costureiras produzindo o material para atender à demanda. Além disso, há sites que estão vendendo máscaras de boa marca pelo valor até de um mil reais cada. E conseguindo bom lucro. Imagine só!

Apesar de tudo isso, os mascarados não se preocupam, nem se sentem criticados. Para a maioria, o importante é estar na moda, por isso não há problema alguém caprichar naquilo que usa. É preciso se mostrar e se mostrar bem nas poucas vezes que pode sair de casa. Aliás, olhando por esse prisma, a máscara não esconde, mas demonstra o que a pessoa tem por dentro. E não se trata apenas do medo dispensado ao vírus, mas de se esconder dignamente do bicho!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior