Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Buriti Alegre -

TCM detecta superfaturamento em contrato de limpeza urbana

Em recente decisão, proferida no dia 30 de junho de 2020, o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás – TCM conheceu de representação, com pedido de medida cautelar, oferecida pela Secretaria de Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia (SFOSEng), e concedeu medida cautelar em face do Prefeito Municipal, André de Sousa Chaves, e do Secretário Municipal de Infraestrutura, Sr. Clayton Ferreira de Carvalho, para sanar diversas irregularidades no Contrato nº 002/2018, e respectivo termo aditivo, firmado entre o Município de Buriti Alegre e empresa Metro Engenharia e Construções LTDA EPP, prestadora dos serviços de limpeza urbana.
Segundo consta nos autos, a votação foi realizada por 06 (seis) Conselheiros do Tribunal de Contas, que concluíram, de forma unânime, que houve superfaturamento durante a execução do contrato e termo aditivo, que contemplam serviços de varrição, capina, jardinagem, pintura de meio fio e operação do aterro sanitário, e, consequentemente, houve grave prejuízo ao erário municipal.

A equipe desse jornal teve acesso à decisão e constatou que, segundo o TCM, “os serviços englobados pelos contratos, ou seja, “Varrição Manual de Ruas”, “Jardinagem e Capina de Sarjetas”, “Pintura mecanizada de meio fio” e “Operação de Aterro Sanitário” possuíam quantitativos de mão de obra e equipamentos em quantidades e qualidades inferiores aos presentes nas composições de custo constantes do Termo de Referência (fls. 33-83) e da proposta da contratada (fls. 108-122)”. Ou seja, de acordo com o TCM, o município de Buriti Alegre pagava mais por uma menor quantidade de mão-de-obra e equipamentos que deveriam ser empregados.

Para ter uma ideia da dimensão do problema, buscamos, na decisão, a título de exemplo, o item 1 do pregão presencial, ou seja, a prestação do serviço de varrição de vias públicas, que foi objeto da investigação. De acordo com o TCM, no ano de 2017, esses serviços deveriam ser executados, segundo o contrato, por 18 varredores, 9 carrinheiros e 1 fiscal, totalizando 28 profissionais, enquanto que, por outro lado, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2017 foram prestados por 10, 15 e 17 pessoas, respectivamente.

As irregularidades também se estenderam para outros itens do contrato, como, por exemplo, para a operação do aterro sanitário, que deveria contar com 02 auxiliares, 04 vigias e 01 trator, enquanto que, após inspeção no local, o TCM constatou que era empregado apenas o trator, por horas trabalhadas, sendo que esse equipamento nem mesmo era destinado exclusivamente ao aterro.

Enfim, o TCM concluiu pelo superfaturamento contratual da ordem de R$ 407.372,21 (quatrocentos e sete mil trezentos e setenta e dois reais e vinte e um centavos), sendo R$ 105.100,39 (cento e cinco mil e cem reais e trinta e nove centavos), decorrente do superfaturamento quantitativo no contrato nº 066/2017, e R$ 302.271,82 (trezentos e dois mil, duzentos e setenta e um reais e oitenta e dois centavos), decorrente do superfaturamento quantitativo no contrato nº 002/2018 e termo aditivo.

Por sua vez, reconhecendo a irregularidade, a Metro Engenharia e Construção LTDA-EPP efetuou parte do ressarcimento do prejuízo ao erário, precisamente a importância de R$ 199.426,17 (cento e noventa e nove mil quatrocentos e vinte e seis reais e dezessete centavos), ou seja, devolveu, aproximadamente, apenas 50% do valor superfaturado.

Todas essas questões embasaram a concessão da medida cautelar em desfavor do Prefeito Municipal, André de Sousa Chaves, e do Secretário Municipal de Infraestrutura, Sr. Clayton Ferreira de Carvalho, aos quais foram impostas as obrigações de corrigir as irregularidades no Contrato nº 002/2018, e respectivo termo aditivo, sem prejuízo de demais sanções, inclusive criminais, considerando que a decisão do TCM é clara ao determinar o encaminhamento de cópia do Relatório e Voto para o Ministério Público Estadual e para a Câmara dos Vereadores de Buriti Alegre, para providências.

 

Estado de conservação do prédio da prefeitura também foi
alvo de críticas nas redes sociais

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior