Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Agronegócios -

Doença da soja

Doença da soja


         O Mofo Branco, afeta um grande número de lavouras de importância e pode permanecer no solo, por mais de oito anos, em estruturas de escleródios. É uma doença bastante conhecida por produtores de tomate, feijão, ervilha, soja, principalmente sob o sistema de Pivot Central.

Os produtores e técnicos agropecuários precisam adotar medidas sérias para com a doença, tais como: 1) Rotação das culturas afetadas, rotacionar as gramíneas e dar preferência as espécies que tem boa formação de palhada e que seja de degradação mais lentas, isto possibilitará a manutenção de micro-organismos antagonistas, que funciona como barreiras de proteção, diminuindo a possibilidade dos ascósporos, injetados pelos apotécios, de atingirem as plantas; 2) Uso de sementes sadias e com tratamento com fungicida sistêmico; 3) Controle químico: O controle curativo, apesar de reduzir o potencial dos inóculos para safras, não diminui as perdas já ocorridas. O momento correto para realizar a primeira aplicação preventiva é no inicio do florescimento, com novas aplicações em intervalo médio de 10 dias.

Produtores rurais, o Mofo Branco é uma doença de grande poder destrutivo e causa grandes prejuízos às lavouras. Se não for feito um bom manejo agora, a simples planta atacada nesta safra será a disseminação da doença na próxima safra e com altos custos para exploração das lavouras.

Se em sua propriedade rural já existe o Mofo Branco, não utilize seu trator, colheitadeira ou implementos agrícolas para prestação de serviços em outras propriedades, sem antes fazer uma lavagem ou desinfecção dos maquinários utilizados em sua propriedade. Fazendo isto, você estará ajudando a não disseminar esta doença (Mofo Branco).

Procure a AGRODEFESA ou a Assistência Técnica do seu município para maiores informações.

Dr. Bruno Cezar Arpini Serafin, Fiscal Estadual Agropecuário em Goiatuba

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior