Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Agronegócios -

Spaço Agrícola e FMC apresentam alternativas para controle das doenças fúngicas

Na noite da última segunda-feira (12), a Spaço Agrícola e a FMC realizaram mais um, da série de eventos com os produtores rurais da região para apresentar alternativas para o controle das doenças fúngicas, na cultura da Soja, especialmente as doenças de final de ciclo e como agir neste momento em que o clima apresenta altas temperaturas e pouca chuva. O evento contou com a participação de mais de 100 produtores, de toda região.

Para falar sobre o assunto, o Prof. Dr. Daniel Cassetari Neto, da UFMT e uma das maiores autoridades em doenças fúngicas da atualidade, com trabalhos desenvolvidos em todo o país. Durante o evento, Prof. Daniel ressaltou a importância da “Diagnose e o Manejo de Doenças da Soja”, onde afirmou que apesar de apresentar-se no final de ciclo, elas estão na lavoura desde a fase vegetativa e que a melhor alternativa é a prevenção que começa muito antes do plantio, na escolha da semente (origem, sementeira, distribuidor, con-trole de Qualidade). Evitar as sementes salvas ou caseiras, que não tem um bom controle de qualidade, é um bom começo.

Os produtores que participaram do evento rece-beram importantes informa-ções, como os passos que devem seguir para ter uma lavoura sadia e produtiva. Prof. Daniel ressaltou que alguns passos são fundamentais, como: A Diagnose, ou seja, o reconhecimento do problema; Sanidade das Sementes, procurando compra-las sempre de empresas idôneas, já que a qualidade das ditas sementes salvas tem caído sistemati-camente, ano após ano. Atenção no desenvolvimento das plantas, observando suas características e princi-palmente, se perceber alguns sinais de doenças, saber quantificar estas doenças; e, por último, ter Estratégias de Manejos, o que irá ampliar a eficiência dos produtos aplicados e melhorar todos os resultados, principalmente em ano como este, onde há pouca chuva e muito calor.

Dentro das estratégias de manejos, Prof. Daniel Cassetari ressaltou que há algumas que não podem faltar, “além da prevenção, é importante promover a alternância de produtos com alta tecnologia e performance (que seja de contato, sistêmico e mesostêmico) e principalmente a rotação de princípios ativos, não de marcas, evitando assim que a doença se torne resistente aos tratamentos, ampliando a eficiência no combate as doenças fúngicas”, ressaltou.

Para o especialista, atualmente há uma série de produtos no mercado que permitem obter excelentes resultados, mas sem a atuação efetiva do produtor desde o manejo entre as culturas (rotação de culturas), escolha das sementes e o manejo adequado em suas lavouras, será impossível alcançar a eficiência, “só assim, o produto conseguirá entregar tudo que promete entregar”, comentou Prof. Daniel.


Professor Daniel Cassetari Neto, da UFMT, relatando aos
produtores sobre as doenças fúngicas

Doenças com potencial de prejudicar produtividade

Na apresentação em Goiatuba, Prof. Daniel Cassetari revelou que além das doenças de final de ciclo, outras doenças podem trazer severos danos às lavouras, como a Ferrugem Asiática, Mancha-Alvo, Oídio, Antracnose, e a Septória (Mancha parda) e que todas elas podem ser evitadas desde que sejam tomados cuidados preventivos.

Segundo o especialista, para proteger a planta contra todas estas doenças é preciso “misturar” uma série de produtos e aplica-los, o que atualmente, a legislação não permite que seja feito no campo por colocar em risco a saúde do trabalhador rural, já que ficaria exposto a estes princípios ativos. Todavia, ele ressaltou que a FMC teve a brilhante ideia de promover esta mistura industrialmente, dando origem ao LOCKER (CARBENDAZIM + TEBUCONAZOLE + CRESOXIM-METÍLICO ), desenvolvido para atuar preventivamente desde o início vegetativo da planta e que quando associado a outros fungicidas para doenças de final de ciclo, todos eles tiveram sua eficiência ampliada, permitindo ao produtor não só menos pressão de doenças nas cultivares, mas principalmente ganhos na produtividade.

Segundo o produtor Guilherme Pontieri, que aplicou o LOCKER em suas lavouras, “o sistema que a Spaço Agrícola e a FMC pregam, que é a aplicação cada vez mais precoce do fungicida é muito importante e o LOCKER entra nesse sistema com uma mistura tripla (Carbendazim, Estrobirulina e Triazol) e você entrando com ele no estágio vegetativo, cada vez mais cedo, traz uma proteção melhor para a planta”, avaliou.

Volneimar Lacerda, diretor da Spaço Agrícola, distribuidor FMC na região, informou que a equipe técnica da empresa está preparada para orientar os produtores na utilização do LOCKER e também para apresentar a melhor associação para cada caso (doenças instaladas na lavoura). O empresário ressalta que a Spaço Agrícola dispõe de um amplo portfólio de fungicidas, inseticidas e nutrição para atender os produtores em todas as suas necessidades.

Até o próximo evento, onde certamente a Spaço Agrícola estará junto com os seus fornecedores trazendo informações importantes aos Agricultores e profissionais da região.


Produtores e profissionais atentos as orientações sobre o Locker


Equipe Spaço Agrícola e FMC com professor Daniel Cassetari


Volneimar, professor Daniel e equipe FMC

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior