Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Espaço Cultural -

Medo de cair na net

Há muitas coisas na vida que me causam medo. Temores que estão sempre presentes no meu e, tenho certeza, no cotidiano de quase todas as pessoas. Tenho medo da violência, nossa companheira a todo instante na rua e na televisão. Tenho pavor, desde criança, de chuva brava. Quando o céu escurece, minha costumeira alegria vai embora; ventos e trovões sempre me tiraram a paz. Tenho receio do desemprego, da inflação, da Alemanha... mas o meu maior medo é de cair na net.

É o pior que poderia acontecer a alguém. Com a evolução da informática, em segundos todos ficam sabendo de tudo e se divertem com a desgraça alheia. Ninguém perdoa um só deslize e, valorizando a notícia que deve ser repassada imediatamente aos grupos virtuais, desvaloriza o indivíduo negando a ele uma nova chance. O erro cometido por alguém, mesmo pequeno, recebe curtições, comentários e até emendas tornando-se a principal notícia da cidade. As tragédias, então, são as preferidas. Internautas alimentam-se de sangue e lágrimas.

Fim de namoro, hoje em dia, é o maior perigo. Aquelas fotos que a gente tira pensando que só o casal irá ver se tornam uma arma no computador da pessoa amada, ou melhor, ex-amada. Por ciúme ou por maldade, no dia seguinte, as estampas estão todas na grande rede. E a pessoa nem se preocupa em selecionar as menos comprometedoras. Aquela falta de roupas, aquelas posições mais desinibidas, aquelas pernas abertas... Meu Deus, nem quero pensar! A net é mais letal que mordida de cascavel.

Tenho tanto medo da net que evito expressar abertamente minhas opiniões, escondo os meus desejos, evito companhias que possam suscitar comentários, escolho bem as festas às quais compareço e bebo só um gole para saber medir as palavras. São cuidados necessários hoje em dia, pois todos ao redor têm uma câmera potente nas mãos pronta para ser usada. E os próprios amigos são os “correspondentes” mais perigosos. Estão sempre de plantão para filmar e postar o ocorrido. Sem exageros, confesso que se participo de uma “selfie” procuro me comportar, nem me deixo sorrir para não ser alvo de alguma brincadeira boba.
Tenho mais medo da net que da morte. Morte representa o fim das angústias; cair na net é o início do sofrimento. Proteja-me da net, Senhor!

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior