Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Espaço Cultural -

OS TRÊS PODERES

O equilíbrio de uma família, a longa vida de um lar depende principalmente da harmonia existente entre a mulher, o marido e a sogra. São três poderes que se relacionam, se enlaçam e se completam numa espécie de simbiose perfeita e necessária. As diferenças, quando existentes, devem ser imediatamente resolvidas e as arestas sempre aparadas, caso contrário a casa cai. Os outros componentes são apenas coadjuvantes, meros figurantes nesta misteriosa engrenagem da existência.

As funções são bem definidas. A mulher é quem elabora as leis, diz detalhadamente o que deve ser feito e como deve ser feito. Se algo não estiver do seu agrado, ela muda as regras para o bem de todos e principalmente dela mesma. Fala o tempo todo, como se estivesse todo o tempo num plenário se exibindo para um público unicamente seu. Além disso, está acostumada a ter alguém para cuidar dela, dos seus interesses. Assim sobra tempo para os momentos de beleza, de lazer, de proveito dos bens que possui.

O homem executa as atividades. Faz e refaz cumprindo os artigos, os parágrafos e os incisos femininos. O futebol sempre perde para a novela se as suas opiniões não forem maioria. A ordem chega, ele constrói; a ordem muda, ele desmancha. Trabalha de sol a sol para que os projetos sejam desenvolvidos. Nem tudo, no entanto, pode realizar; só aquilo que lhe é designado. É sempre cobrado se algo passa do tempo e tem que prestar contas de tudo no final do expediente. Se aparece com alguma mancha no rosto, tem de se explicar. É a lei da ficha limpa.

A sogra é quem controla. Tem o poder nas mãos. Sabe de tudo e está sempre pronta para intervir. Acusa, apresenta provas, prende na maioria das vezes e absolve quando necessário. Põe o dedo em tudo, principalmente nas feridas. Feito uma balança, tenta manter o prumo, não pode ou pelo menos não deve ser tendenciosa. Se for preciso, recorre à força e bate forte ensinando as lições. Apesar do habitual teatro, consegue manter o respeito, ou o medo. Há quem goste dela, mas muitos a detestam.

Se falta o entendimento entre esses três poderes, as ações perdem o controle, a convivência passa a ser um inferno. Acusações surgem de todos os lados e há uma luta crescente em busca dos direitos. Naturalmente os deveres são deixados de lado. Vira um caos. É preciso interferência externa. E essas novas forças aparecem armadas para restabelecer a ordem e estabelecer a paz. Na ação, muitos são prejudicados e banidos do grupo. Alguns até desaparecem. É assim que funciona uma casa. Qualquer semelhança com outro organismo, instituição ou entidade é mera coincidência.

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior