Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Espaço Cultural -

UM SER DE OUTRO MUNDO

Dentista é um ser de outro mundo. Normalmente é uma pessoa calma, educada, instruída, bem relacionada na sociedade e muito respeitada por todos. Caminha entre nós como se fosse normal. Quem vê nem acredita nas atrocidades que é capaz de fazer. O ataque de uma dessas entidades de jaleco branco é dos mais terríveis!

Pelos métodos utilizados, parece ser discípulo de Hitler. Quando a pessoa chega a seu consultório, é como se entrasse numa câmara de gás. Ele a recebe com uma falsa amabilidade, posiciona-a deitada de costas numa cadeira, quase de cabeça para baixo, impossibilitada de qualquer reação, de qualquer defesa. Depois coloca aquela máscara na cara para não ser reconhecido e esparrama em uma mesinha diversas armas esquisitas que a gente só vê em filmes de ficção. A pessoa já começa a tremer e quase pode ver, por trás da máscara, aquele sorriso macabro cheio de contentamento por ter mais uma vítima assustada à sua disposição. E aí começa a tortura.

A anestesia que ele diz ser para o nosso bem é uma das piores maldades. Ele fura o indivíduo várias vezes demoradamente com aquela tétrica seringa, tanto que a boca fica torta e formigando o resto do dia. Depois vem a sessão da broca, como se fosse um filme ruim que nunca acaba. Aquele zunido vai penetrando na cabeça, levando o coitado à loucura. Não há como respirar pela boca, e o monstro deixa o jato de água acertar o nariz, tirando o resto do fôlego. Pior é quando toca o telefone, ele interrompe o serviço para atender e se esquece do pobre diabo com a boca cheia de algodão e a baba aumentando e caindo pelos lados. É uma loucura!

Sobrevivo desde o tempo do dentista prático. Dá para imaginar a quantidade de anos que sou perseguido por essa criatura. Não dá para ficar mais de seis meses sem ser maltratado naquela cadeira. Quanto mais tempo a gente fugir é pior; depois ele desconta com juros. E tudo dói: a obturação, a prótese, o canal, o implante, a extração, a gengiva, tudo. Dói mais ainda no bolso. Todos eles querem ficar ricos em pouco tempo. Dificilmente algum atende por convênios e o pagamento tem que ser à vista. A gente deixa de comer para arrumar os dentes e, quando o serviço acaba, não tem mais dinheiro para comprar comida.

Dentista é mesmo um ser de outro mundo. É uma raça alienígena de predadores. Quem faz odontologia é aquela pessoa frustrada que tomou bomba no vestibular para ser esquartejador. Não exagero. A maior felicidade que tenho é quando termino um tratamento dentário. É uma sensação inigualável saber que fiquei livre daquele sofrimento por algum tempo. Não há nada igual. Bem, agora preciso ir. Tenho horário marcado às nove. Ai, ai, ai...

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior