Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Interior Mulher -

Saúde

A Cirurgia De Vesícula e a Tecnologia Atual

A vesícula biliar é o órgão encarregado de depositar bile para a digestão dos alimentos.
No entanto, pode haver penetração de infecção no seu interior, e como consequência, formação de cálculos neste órgão.
A partir dai, a vesícula torna-se incapaz de exercer sua função digestiva, e passa a ser foco de dores intensas, a chamada cólica biliar, e será então, necessário a sua extirpação.
Esta cirurgia, em Goiatuba, teve seu inicio em 1964, como pioneirismo na região ...Nessa época, a cirurgia era realizada a céu aberto, com grande incisão no abdome, e um pós operatório demorado de cinco dias ou mais de hospitalização, e ainda sujeito a complicações como infecção, hérnias, e outros acidentes cirúrgicos, pela pouca tecnologia disponível então.
Este panorama mudou radicalmente há cerca de quinze anos, quando surgiu a videocirurgia, popularmente conhecida como cirurgia a laser.
A grande incisão do abdome deu o lugar a pequenas perfurações por onde entram os instrumentos cirúrgicos, sem que haja introdução das mãos do cirurgião no interior do organismo.
Uma câmEra óptica, é introduzida pelo orifício no umbigo, e com isso se visualiza todos os órgãos no interior do abdome, inclusive a vesícula. Todo o procedimento é visto como um cinema, pelo monitor de televisão.
Procede-se então, a exérese da vesícula, que é retirada através do orifício no umbigo.
O paciente tem alta hospitalar, em um, ou mais tardar, dois dias de internação.
Ao final da recuperação pós-operatória, teremos um abdome limpo, e praticamente sem sinais do ato cirúrgico, para felicidade das mulheres, que tanto temem as cicatrizes antiestéticas.
Dr. Armando Campos de Oliveira
Membro titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia

A vesícula biliar é o órgão encarregado de depositar bile para a digestão dos alimentos.No entanto, pode haver penetração de infecção no seu interior, e como consequência, formação de cálculos neste órgão.A partir dai, a vesícula torna-se incapaz de exercer sua função digestiva, e passa a ser foco de dores intensas, a chamada cólica biliar, e será então, necessário a sua extirpação.

Esta cirurgia, em Goiatuba, teve seu inicio em 1964, como pioneirismo na região .

Nessa época, a cirurgia era realizada a céu aberto, com grande incisão no abdome, e um pós operatório demorado de cinco dias ou mais de hospitalização, e ainda sujeito a complicações como infecção, hérnias, e outros acidentes cirúrgicos, pela pouca tecnologia disponível então.Este panorama mudou radicalmente há cerca de quinze anos, quando surgiu a videocirurgia, popularmente conhecida como cirurgia a laser.

A grande incisão do abdome deu o lugar a pequenas perfurações por onde entram os instrumentos cirúrgicos, sem que haja introdução das mãos do cirurgião no interior do organismo.

Uma câmera óptica, é introduzida pelo orifício no umbigo, e com isso se visualiza todos os órgãos no interior do abdome, inclusive a vesícula. Todo o procedimento é visto como um cinema, pelo monitor de televisão.

Procede-se então, a exérese da vesícula, que é retirada através do orifício no umbigo.O paciente tem alta hospitalar, em um, ou mais tardar, dois dias de internação.Ao final da recuperação pós-operatória, teremos um abdome limpo, e praticamente sem sinais do ato cirúrgico, para felicidade das mulheres, que tanto temem as cicatrizes antiestéticas.

Dr. Armando Campos de OliveiraMembro titular da Sociedade Brasileira de Coloproctologia

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior