Goiás Interior - A notícia como ela é !
×
Regional -

Dengue: a luta continua

Divino Alves
A luta contra a dengue, em todo o estado de Goiás e, notadamente em Goiatuba, já se transformou em uma guerra sem quartel. Prova disso é o grande número de gente que procura o serviço de saúde, com dengue ou com suspeita de ter adquirido a doença, uma vez que os sintomas podem ser confundidos com outras doenças. A emergência do Hospital Municipal ultimamente está sempre lotada de pessoas que buscam socorro. Os agentes combatentes epidemiológicos de um lado e o Aedes Aegypti do outro, com este último levando vantagem. O confronto tem características de uma verdadeira guerra, com a diferença que um inimigo oferece as armas para o outro, neste caso, nós, seres humanos e vítimas do mosquito, oferecemos a ele as condições para que se reproduza e fortaleça seu exército. Enquanto os agentes fazem varreduras em quintais e terrenos baldios, recolhendo possíveis criadouros, eis que surgem novas trincheiras para os inimigos alados: os postes de sinalização das vias urbanas. Está circulando na internet um experimento em que pesquisadores perfuram alguns destes postes e pelo furo feito próximo ao solo jorra água acumulada pela chuva, uma vez que os referidos não são tampados e nem possuem um sistema que impeça a retenção do precioso líquido. Então só nos resta desfraldar a bandeira da limpeza e ir a luta, ombro a ombro com nossos heroicos combatentes: os agentes epidemiológicos, pois juntos seremos mais fortes que esse mosquito.

Mitos sobre o mosquito da dengue

1 - Ar condicionado e venti-ladores matam o mosquito

Quando se usa o ar condicionado a temperatura e a umidade baixam, isso inibe o mosquito. Ele tem mais dificuldade para detectar onde estará a possível vítima de sua picada. Porém não morrerá. Estes aparelhos apenas espantam o mosquito que poderá voltar em outro momento quando eles estiverem desligados.

2 – Para matar os ovos do mosquito basta secar os reservatórios de água parada

Não é apenas o simples ato de secar os reservatórios de água parada que irá impedir o mosquito da dengue de se reproduzir. É preciso limpar o local também, pois o ovo ainda pode ser manter “vivo” por mais de um ano sem água.

3 – Repelentes são funda-mental no combate à dengue

Repelentes, velas de citronela ou andiroba, ao contrário do que muita gente pensa, não têm muito efeito no combate à dengue, pois têm efeito indeterminado e temporário

4 - Tomar vitamina b afasta o mosquito

Apesar de ser verdade que o mosquito é atraído de acordo com a respiração e o gás carbônico exalado pela pessoa, a ingestão de vitamina B - alho ou cebola também - (que têm cheiro eliminado pela pele) não é uma medida eficaz de combate à dengue. Tomar vitamina B pode afastar mosquito, mais isso não dura muito e também irá variar de acordo com o metabolismo de cada pessoa, podendo até não ter efeito algum.

5 – Qualquer picada do mos-quito transmite a doença

Primeiramente é necessário que o mosquito esteja contaminado. Além disso, cerca de metade das pessoas picadas não desenvolvem a doença. Entre 20 e 50% vão desenvolver formas subclínicas da doença. Ou seja, sem apresentar sintomas. Mesmo assim, é importante em caso de dúvida ou qualquer suspeita procurar o posto de saúde mais próximo.

6 – Borra de café na água das plantas mata os ovos do mosquito

Não há comprovação de eficácia da borra de café na água das plantas e sobre a terra no combate ao mosquito. Pelo contrário, já foi verificado na prática que a larva do Aedes aegypti se desenvolve na água suja de borra de café. Ao invés de usar a borra, tente eliminar os pratos dos vasos, ou coloque areia até as bordas deles de forma a eliminar a água. Lave também os pratos com bucha e sabão semanalmente. Isso é eficaz contra a dengue.

7 – As larvas do mosquito só se desenvolvem em água limpa

Os ovos do mosquito também podem se desenvolver em água suja e parada. Hoje se discute até se as fêmeas do Aedes têm realmente a preferência pela água limpa. Então para combater a dengue, o importante é acabar com qualquer reservatório de água parada, seja limpa ou suja.

Edições Anteriores
Acesse as edições anteriores do Goiás Interior